Domingo, 18 de Janeiro de 2009

Prefere as de torresmos*

P. No livro dá toda a primazia à chamada música erudita, apesar de focar alguns nomes do rock sinfónico, do jazz, e José Afonso. Porque omitiu quase toda a música pop?

R. Ao escrever um livro sobre gastronomia dificilmente falaria muito em sandes de presunto. E se calhar uma boa sandes, com presunto de Chaves, até é difícil de fazer.

 

António Vitorino de Almeida em entrevista com Manuel Halpern, a propósito de Toda a Música que Eu Conheço, no JL N.º 998.

 

* Post derivado de um blogue derivado.

tags:

Fábio Jesus às 19:50
link | comentar | favoritos

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Maio

Apichatpong, dois

As quatro voltas

Apichatpong, um

Simpatias

Filmes difíceis

O adeus televisivo de uma...

Black Swan

Re-Animator

A rainha da galáxia

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

free tracking

▪ subscrever feeds