Quarta-feira, 3 de Fevereiro de 2010

O machado

Ainda aqui não tínhamos falado dessa palhaçada que vai lá para os lados do Rockefeller Center. Acho que não é preciso dizer muito mais, Big Chin volta à procedência, o Conan vai gozar umas férias e voltará sabe-se lá quando ou onde ou em que condições. E provavelmente sem The Interrupter, sem In the Year 3000, sem Celebrity Survey, pior, sem Noches de Pasión con Señor O'Brien (Conando!), porque os Jack Donaghys da vida real, que também devem estar cheiinhos de mama issues mas que têm menos de metade da piada, querem abocanhar sem dó nem piedade a obra de uma equipa de argumentistas que se esfolaram a trabalhar, porque não percebem que a única maneira de a NBC algum dia voltar a respirar é chapar com o tal SeinfeldVision - essa ideia de tomates da Tina Fey - por toda a programação e de repente encararmos com um Hiro Nakamura com ar de judeu a gritar "Yatta!" e nem o Brian Williams e o Matt Lauer escapavam. No clímax deste disparate um energúmeno qualquer resolveu que toda a rede social (sim, aquela começada por f e acabada em ook) devia ser conhecedor da sua energúmenalidade e gritou que achava muito bem, que o Jay Leno é que tinha graça e que o Conan era um escatológico. Apeteceu-me ripostar "A tua mãe é escatológica" mas no fundo percebi que era isso mesmo que tornava o Late Night with Conan O'Brien e agora o The Tonight Show aquela deliciosa insânia. Digam-me, quem mais poderia fazer de um urso onanista ou de um manatim excitado personagens absolutamente hilariantes? A sério. Mais, quem era capaz de se embriagar alarvemente numa vinha em Napa e mesmo assim conseguir não fazer disso um episódio dos Malucos do Riso?

 

Posto isto, não há lugar para os bons, o machado é implacável. E agora que o fenómeno Glee começou a roubar prémios a 30 Rock, qualquer dia haverá mais sarrabulho no edifício da General Electrics. E depois vai The Office. E não tarda é Chuck. E depois, o que é que uma pessoa vê? Two and a Half Men? É nestas alturas que me apetece pegar naquele carimbo que perseguia o pobre do Max Weinberg cada vez que ele fazia figura de urso e chapá-lo na testa desses engravatadinhos. Carimbo não, era mesmo ferro em brasa, assim como o Toadvine do Blood Meridian tinha a sua condição escarrada na sua frente, um "ass" assado ainda a fumegar não lhes ficava nada mal.


Lídia Gomes às 14:08
link | comentar | favoritos
2 comentários:
De jonasnuts a 4 de Fevereiro de 2010 às 08:56
Este post está em destaque na Homepage do SAPO, tab "TV".


De Lídia Gomes a 4 de Fevereiro de 2010 às 11:56
Muito obrigada pelo destaque!

Cumprimentos


Comentar post

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Maio

Apichatpong, dois

As quatro voltas

Apichatpong, um

Simpatias

Filmes difíceis

O adeus televisivo de uma...

Black Swan

Re-Animator

A rainha da galáxia

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

free tracking

▪ subscrever feeds