Domingo, 20 de Janeiro de 2008

Vós que me educastes

O estilo pode ser datado. A ausência pode levar ao esquecimento. Mas nunca vou deixar de lembrar que foram os Portishead que me fizeram olhar a música como arte. E por isso mesmo dia 26 de Março, no Coliseu do Porto, lá estarei, provavelmente não com o mesmo entusiasmo de há oito, nove anos mas com a certeza de estar a concertizar um sonho de miúda.

 

Lamentável é, no entanto e mais uma vez, a estratégia de marketing da Everything Is New. No seu site, na tarde antes do anúncio, prometia-se «uma das bandas mais aguardadas pelo público português nos últimos anos». É verdade que os Portishead gozam de um assinalável fenómeno de culto no nosso país mas, 11 anos depois do lançamento do último álbum de originais e 10 anos após a passagem pelo Festival do Sudoeste (naquele cartaz perfeito do ano de 1998), o hype há muito que esmoreceu. Isto depois do suspense à volta dos nomes para o Alive! e que, feitas as contas, se saldou no anúncio dos inarráveis Within Temptation e no "chatinho" Donavon Frankenreiter. Palpita-me que anda por aí muita gente a querer acertar o passo a Álvaro Covões...

 

Eu, que não me desiludi nada com o tal "concerto mistério" (contando comigo acho que fomos à volta de uns 5), espero agora por ouvir os novos temas do há muito adiado terceiro álbuns de originais dos manda-chuvas do trip-hop. Mas, muito mais que isso, vou aguardando com uma certa nostalgia e impaciência o momento em que Beth Gibbons começar a entoar os hinos de Dummy e Portishead. Que recordar é viver.

tags:

Lídia Gomes às 15:28
link | comentar | favoritos
5 comentários:
De mlp a 21 de Janeiro de 2008 às 13:05
eu devo dizer que, com os My Bloody Valentine por aí à solta outra vez, qualquer anúncio de concerto surpresa cheio de haipe torna-se uma desilusão (mas felicidades para quem gosta de Portishead, eu não conheço muito bem). o balde de água fria do Alive! também foi giro.


De wasted blues a 26 de Janeiro de 2008 às 01:07
Estive nesse mágico Sudoeste de 1998 e Portishead nunca se desvaneceu da minha memória. Também vi a Beth Gibbons em Lisboa. Isto é uma forma de dizer que espero que o álbum seja bom, aliás, muito bom. Tem de ser.


De Lídia Gomes a 26 de Janeiro de 2008 às 01:29
Também espero grandes coisas deste Third. Mas de qualquer maneira com aqueles dois álbuns de antologia nada vai manchar a carreira deles e qualquer concerto será bom. Nunca mais chega Março...


De O Puto a 15 de Fevereiro de 2008 às 12:41
Ando a ansiar por este concerto há anos. Quando resolvi ir a Benicassim, há 10 anos, eles foram a única banda do Sudoeste que não estava incluida no cartaz. Tentei ver a Beth Gibbons no Coliseu do Porto, mas quando lá cheguei, o concerto tinha acabado. Que trauma! Espero que no Coliseu seja compensado.


De Ângela a 7 de Março de 2008 às 23:35
Acho que isto te pode interessar: http://www.mininova.org/tor/1225430

Beijo *


Comentar post

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Maio

Apichatpong, dois

As quatro voltas

Apichatpong, um

Simpatias

Filmes difíceis

O adeus televisivo de uma...

Black Swan

Re-Animator

A rainha da galáxia

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

free tracking

▪ subscrever feeds