Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008

Distorções (mas pequeninas)

Os The Magnetic Fields não inventaram a pólvora. Por estes dias o shoegaze já tem idade para casar e ter filhos mas a verdade é que último da banda de Stephin Merritt é por vezes mais jesusandmarychainista que os Jesus and Mary Chain. O revivalismo dos anos 80 parece, neste caso, não ter exactamente agradado à crítica, que tem recebido Distortions de forma bem morna. Mas, da parte que me toca (e agora é que vem a parte polémica), o oitavo álbum de originais dos The Magnetic Fields é tão bom como Psychocandy e melhor que Loveless dos My Bloody Valentine.

 

Não sendo portanto um produto dotado de grande originalidade ou brilhantismo, Distortion vai marcando a diferença aqui e ali. Apesar de ser um álbum onde a distorção assume papel principal, a componente pop é sempre um adjuvante de grande valia. A voz de Merritt continua embargada, de crooner ébrio acabado de sair do bar, e que dá toda a emoção necessária ao estilo algo "frio" que canta. Contudo, a grande virtude de Distortion é ser de uma objectividade e eficácia estupendas. A tal distorção não precisa de nos arremessada em massadores temas de 6 minutos, fica bem mais agradavel quando nos ofertada em doses bem moderadas. E três minutos de California Girls (tão Beach Boys), Too Drunk To Dream ou Zombie Boy chegam perfeitamente para satisfazer.

tags: ,

Lídia Gomes às 22:34
link | comentar | favoritos
5 comentários:
De M.A. a 24 de Janeiro de 2008 às 22:59
Estás mesmo à procura de polémica. Ai estás, estás! :)))


De Lídia Gomes a 26 de Janeiro de 2008 às 01:31
Já sabia que vinha porrada desse lado! :)
Epa gosto mesmo do álbum. Para dizer alarvidades deste estilo tenho mesmo de gostar!


De mlp a 26 de Janeiro de 2008 às 11:36
para dizeres que é melhor que o Loveless dos My Bloody Valentine (e estou calado quanto aos Jesus And Mary Chain) deve ser por gostares mesmo muito


De André a 29 de Janeiro de 2008 às 02:12
Depois de ouvir várias vezes o álbum, concordo contigo: é um excelente álbum, melhor que o mítico Loveless do MBV.


De O Puto a 15 de Fevereiro de 2008 às 12:37
Apesar de poder causar entusiasmo após audições repetidas, este disco viciante ainda tem que passar o teste do tempo para se poder afirmar melhor que "Loveless" ou "Psychocandy" (o que duvido fortemente). Em relação à obra-prima dos MBV, causa-me uma reacção tão forte hoje em dia como no ano em que comprei o CD (no longínquo 1992).


Comentar post

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Maio

Apichatpong, dois

As quatro voltas

Apichatpong, um

Simpatias

Filmes difíceis

O adeus televisivo de uma...

Black Swan

Re-Animator

A rainha da galáxia

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

free tracking

▪ subscrever feeds