Terça-feira, 15 de Abril de 2008

Deuses e monstros



Os filmes do James Whale são pequeninos, vêem-se de uma enfiada. Anteontem, dupla sessão de luxo: Bride of Frankenstein e The Invisible Man. O primeiro, sequela de Frankenstein (do qual, heresia das heresias, mantenho recordações difusas mas pouco simpáticas; hoje, com certeza, vê-lo-ia a uma luz totalmente diferente), é brilhante. A história de Shelley é continuada, o monstro humanizado, o final tragicamente irónico. Salta à vista, acima de tudo, a técnica de Whale: prodigiosa a caracterização (aquele salão da mansão de Frankenstein…), magníficos os close-ups na aproximação ao clímax, total o domínio do ambiente. Com um Karloff gigante, inexpressivo, tremendamente eficaz, e uma música em exasperante crescendo. The Invisible Man é diferente. Menos soturno, mais um thriller na linha dos de Hitchcock que um filme de terror, mas (quase) igualmente notável. A câmara de Whale imaculada, mais uma vez. E Claude Rains num primeiro papel, corpo ausente mas em perfeito controlo do movimento e da colocação vocal. Lições de bom cinema, duas em menos de duas horas e meia. Assombroso.

tags:

Fábio Jesus às 18:49
link | comentar | favoritos
5 comentários:
De syrin a 16 de Abril de 2008 às 19:18
Não tem nada a ver com este post, mas pronto. ;)
Já deram uma vista de olhos neste projecto
http://hotvnews.wordpress.com/2008/04/16/trailer-da-nova-mini-serie-da-hbo-generation-kill/#more-3836


De Lídia Gomes a 16 de Abril de 2008 às 20:11
Ora vamos lá ver: há David Simon, há Edward Burns, há Ziggy Sobotka logo isto não pode dar mau resultado!


De Fábio Jesus a 17 de Abril de 2008 às 15:39
Ando de olho nisso há uns tempos. Pena ser uma mini-série, mas é melhor 7 (são sete, não são?) episódios de Simon e Burns que nenhum. E há que ter esperança que num futuro mais ou menos próximo eles se lembrem de redefinir mais uma vez os padrões do drama televisivo americano.

Este Generation Kill faz parte de uma mão cheia de projectos promissores com a chancela HBO. Vamos a ver.


De syrin a 17 de Abril de 2008 às 23:28
Vi logo que vocês iam estar de olho nisso, enquanto fãs de The Wire. Estou curiosa para ver a série, embora o assunto me pareça um tanto ou quanto batido. Mas quem sabe não conseguem surpreender.


De wastedblues a 21 de Abril de 2008 às 20:11
Há uns tempos, vi de seguida os clássicos da Universal. Estes 2, mas também o Frankenstein, o Dracula, a criatura da lagoa negra e os outros. Pequenos grandes filmes, sem dúvida. E James Whale sabia fazê-los como ninguém, pois assinou os meus favoritos dessa colecção de "monstros".


Comentar post

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Maio

Apichatpong, dois

As quatro voltas

Apichatpong, um

Simpatias

Filmes difíceis

O adeus televisivo de uma...

Black Swan

Re-Animator

A rainha da galáxia

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

free tracking

▪ subscrever feeds