Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007

Umberto Domenico Ferrari



É notória e notável a evolução que se observa na obra do mestre Vittorio de Sica, nos quatro anos que decorreram entre Ladri di Biciclette (1938) e Umberto D. (1942). Ambos partilham muito mais do que o senhor por detrás das câmaras – a selecção a dedo de actores amadores, a desconstrução da inexorável pobreza da classe trabalhadora da Itália do pós-guerra, o estilo enganadoramente simples de capturar todo este ambiente opressivo – ou não estivesse eu a falar de um dos principais magnum opus do neo-realismo Italiano e da obra que lhe colocou um fim, respectivamente.


Umberto D. é tão ou mais tocante do que Ladri di Biciclette: à trágica ironia infinitamente comovente do final deste responde com um brilhante e constantemente cativante estudo da vida de um velho (notável Carlo Battisti) que mais não queria do que uma vida descansada com o seu cão Flike e, por um motivo ou outro, nunca o conseguia. Entre um e outro, De Sica evoluiu claramente enquanto cineasta; o aspecto de ambos, dentro dos constrangimentos naturais do género, difere na medida em que Umberto D. acabou por resultar num filme menos amador e tecnicamente superior.


Em última análise, no entanto, o que fica para a História não são as tecnicalidades. Daqui a várias décadas, quando a esmagadora maioria dos filmes actuais tiverem sido condenados ao esquecimento, as obras de De Sica continuarão a ser recordadas como duas das mais imortais do Cinema.


Fábio Jesus às 20:24
link | comentar | favoritos
Domingo, 21 de Outubro de 2007

Quando tudo era tão mais simples...


Charles Chaplin em Modern Times (1936)


… e tão melhor.


Fábio Jesus às 23:41
link | comentar | comentários (3) | favoritos
Sábado, 17 de Março de 2007

Nuovo Cinema Paradiso (1989), de Giuseppe Tornatore



Itália do pós-Segunda Guerra. Toto é um órfão de pai,  perdido  a lutar algures na Rússia. O seu único refúgio é o cinema  da pequena localidade onde vive – chamado Cinema Paradiso -, pelo qual nutre uma profunda admiração, e para o qual vai sempre que pode. É também aí que conhece Alfredo, o velho projeccionista, com quem desenvolve uma grande amizade, e que se torna o seu maior confessor e lhe ensina os segredos da projecção cinematográfica. Os anos passam e Toto cresce, apaixona-se e vai para a tropa. Eventualmente decide partir, procurar uma vida nova, e Alfredo fá-lo prometer que não voltará ou dará notícias. Mais de trinta anos depois, a notícia da morte de Alfredo leva-o a quebrar a promessa que havia mantido tão religiosamente, regressando à sua terra natal e reencontrando tudo aquilo que tinha tentado esquecer.


Desenganem-se aqueles que pensam que Nuovo Cinema Paradiso é um filme sobre cinema per se. A 7ª Arte é apenas o pano de fundo para esta fábula sobre amizade, paixão e nostalgia. O que não quer dizer que o cinema exista apenas no título, muito pelo contrário: o cenário do filme por excelência é a tal sala Cinema Paradiso, e as referências abundam: dos italianos Luchino Visconti e Michelangelo Antonioni aos mais geograficamente distantes Charlie Chaplin ou John Wayne , encontra-se um pouco de tudo – a própria sala de projecções contém numa das paredes um poster de Casablanca -, numa clara tentativa de homenagem (que culmina na famosa montagem final…) por parte de Tornatore. Em parte, o filme é uma celebração do cinema enquanto máquina de sonhos capaz de despoletar as mais extraordinárias reacções, enfeitiçando o espectador de uma maneira singular e inimitável. O fascínio inicial de Toto e um pouco de toda a população da pequena localidade em torno das projecções cinematográficas é prova disto mesmo, e aparece como uma espécie de carta de amor do realizador a uma época na qual este efeito não era ainda reduzido e condicionado pelo fenómeno cinema em casa – o seu objectivo, aliás, era mesmo que o filme servisse como uma espécie de obituário às casas de projecção tradicionais e à indústria de cinema em geral.


Mas o verdadeiro triunfo de Nuovo Cinema Paradiso reside na relação improvável entre o miúdo Toto e o projeccionista Alfredo (o recentemente falecido Philippe Noiret, numa interpretação notável). Embora inicialmente relutante, Alfredo acaba por ceder face à insistência e aos encantos do pequeno, ensinando-lhe a sua arte – segundo ele, tudo aquilo que sabe fazer – e tornando-se o seu melhor amigo. Desta amizade resultam algumas das melhores cenas de todo o filme, como aquela em que Toto salva Alfredo de morte certa quando este se confronta com um incêndio que reduz a cinzas a sala de cinema e leva à sua reconstrução e consequente renomeação para Nuovo Cinema Paradiso . Quando Toto se apaixona, é a Alfredo que pede conselhos e é com o velho que confidencia.


Contada em flashbacks, a história mostra-nos três fases da vida de Toto: a primeira, enquanto criança inocente e fascinada com o efeito hipnotizante do cinema; a segunda, na adolescência, que traz o primeiro amor e a responsabilidade de tomar conta do cinematógrafo; finalmente, trinta anos depois da fase anterior, a vida de adulto, que inicia e fecha o filme: Toto é um realizador famoso e respeitado, com uma vida nova que mantém da infância a paixão enorme pelo cinema. Tornatore filma toda esta sequencialização temporal sem uma ponta de pretensiosismo, com uma simplicidade contagiante. Não existem aqui planos complicados nem artifícios técnicos complexos, apenas a segurança de quem sabe que é possível, e quem sabe, mais fácil, fazer bom cinema sem cair no show-off desnecessário.


Visto por uns como clássico intemporal e por outros como uma obra demasiado sentimentalista que usa e abusa do schmaltz, Nuovo Cinema Paradiso é visualização obrigatória, quanto mais não seja pela simplicidade desarmante com que conta uma história que, não sendo original ou inovadora, cumpre na sua totalidade o seu propósito, e não cessa de encantar.


9/10


Fábio Jesus às 18:48
link | comentar | comentários (2) | favoritos

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Umberto Domenico Ferrari

Quando tudo era tão mais ...

Nuovo Cinema Paradiso (19...

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

free tracking

▪ subscrever feeds