Sexta-feira, 7 de Setembro de 2007

Californication

 

Vistos os primeiros três episódios de Californication, nova série protagonizada por David "Mulder" Duchovny com a chancela Showtime, sente-se um certo trago a desilusão. Não que Californication seja má, muito longe disso, mas definitivamente ainda não conseguiu engrenar. O irresponsável e promíscuo escritor caído em desgraça Hank Moody (Duchovny) é, muitas vezes, fatigante, tal como a própria representação de Duchovny que, embora competente, não consegue disfarçar alguma "canastrisse". Falta alguma coerência à personagem de Hank que passa, enquanto o diabo esfrega um olho, de devorador de mulheres e de whisky ao pai e ex-companheiro que faz tudo para colar os cacos de uma relação que ele próprio ajudou a partir, com prejuízo para a acção, para já ainda um tanto ou quanto desconexa. E mesmo não sendo uma comédia pura, Californication não consegue arrancar os sorrisos esperados.

 

Contudo há mais que razões para acreditar numa evolução positiva da série de Tom Kapinos. Apesar de doentia e macilenta, a relação entre Hank e a sua ex-companheira Karen (Natacha McElhone) tem como principal aliada a perceptível química entre os dois actores. A filha do casal Becca (Madeleine Martin), precoce adolescente de 12 anos, é uma magnífica secundária, ofertando-nos até ver, um dos grandes momentos da série na sua dissertação acerca da falta de pêlos público das namoradas do seu pai. Os diálogos são mesmo a "trave mestra" de Californication.

 

Emparelhada com Weeds nas noites de 2ºfeira, a Californication falta muita da subtileza da série de Jenji Kohan mas não se trata de um mau producto. Se bem que de um canal que nos brindou com já a referida Weeds, The L Word ou a fabulosa Dexter espera-se sempre o melhor possível.


Lídia Gomes às 01:42
link | comentar | favoritos
18 comentários:
De João Cordeiro a 7 de Setembro de 2007 às 16:49
Belissimo blog.

Continuem...

Um beijo e um abraço sonhador


De Anónimo a 7 de Setembro de 2007 às 19:36

3 primeiros episódios.. acho que não se deve falar em desilusão, execepto numa comparação com Weeds, o que me parece injusto (nem será essa a pretensão dos produtores).

É preciso dar tempo à engrenagem. O core de actores é bom e o argumento não lhe fica atrás, o que para uma comédia hollyhoodesca com mulheres bonitas e umas estórias engraçadas já deve ser suficiente!

Ah, parabéns, e continuem com o bom trabalho.



De Fábio Leal a 7 de Setembro de 2007 às 19:42
Perdão, esqueci-me de assinar.


De pombex a 8 de Setembro de 2007 às 02:28
Concordo plenamente, falta coerencia na principal figura.


De tvfiles a 11 de Setembro de 2007 às 11:30
Concordo com a análise. Já vi os primeiros 4 episódios, e embora esteja a gostar cada vez mais da Showtime, acho que Californication ainda não conseguiu encontrar o seu nicho. Compará-lo com Weeds, que cativa desde início é difícil, mas espero que com o tempo evolua.
E visto que já foi garantida uma segunda temporada, parece que vão ter a oportunidade de melhorar. :)


De SerieMaster a 9 de Outubro de 2007 às 00:36
Californication... é GENIAL

não percebo a onde foste arranjar argumentos para criticar esta serie, que no final de 3 episodios já tinha a segunda season confirmada...!

Enfim...gosto sao gostos, mas nao devias desviar as pessoas como se fosse um Desilução. Alem que no meu ver "Californication" bate sem duvida alguma "Weeds" e "L Word".



De Anónimo a 4 de Novembro de 2007 às 15:05
e impossivel tecer uma critica a esta serie, e espectacularmente interpretada, com maravilhoso leque de actores e actrizes, o argumento e fantastico, esta excelente a serie, nao ha como por defeitos. e do melhor actualmente.


De Lídia Gomes a 4 de Novembro de 2007 às 16:12
É só uma opinião amigos, não se empolguem tanto! Qualquer série que me tenha feito abandona-la a meio não merece mais do que escrevi.
Mas prometo tentar ver a temporada inteira, só para ninguém me bater.


De linkinn a 10 de Novembro de 2007 às 15:15
Esta série está demais, uma grande série, acabei agora de ver a Season 1 e está mesmo por demais. Acredito que tenha sido um choque inicial para os Americanos, e ter criado bastante polémica a seu redor. Basta que coloquem os preconceitos à parte e verão uma grande série à vossa frente.
Eu não acho que seja uma comédia, é mais um romance, mas um romance divertido, não daqueles enfadonhos que é só beijinhos e amor pelo ar, este mete-nos situações controversas à frente. Deparamo-nos com fetiches malucos que possivelmente todo o homem tem e não o quer admitir, qual o homem que não gostaria de se "enroscar" com a boazona lá da esquina? Mas que em certo momento hesita por uma questão de honestidade, amor ou remorso? As referencias que a serie tem em segundo plano estão tremendas, basta que estejamos atentos à tela.
Eu acho que este filme cativou mais gente do que o que se pensa.


De sara a 15 de Janeiro de 2008 às 06:07
Acabei de ver a primeira temporada e consegui atingir a genialidade da coisa. Bravo.
Com a greve a perdurar nos USA, consegui acabar muitas séries.
Esta é definitivamente melhor do que L Word.
Não vi Weeds ainda.
O post parece-me ser apenas uma mera tradução de um site americano...? Pelo menos no que respeita à conclusão comparativa com as supracitadas séries...


De Lídia Gomes a 15 de Janeiro de 2008 às 11:23
Isto foi escrito depois de ver apenas 3 episódios por isso acredito que a qualidade tenha subido e ainda bem.
E, não, isto não é uma tradução de um site americano, muito menos a conclusão.


De cuco a 14 de Fevereiro de 2008 às 16:26
bem.. temo a dizer que discordo muito com a opinião apresentada. dentro das series referidas da showtime , à exclusão de dexter esta é a minha preferida.. e não sei ate que ponto o poderei mencionar mas tendo eu nascido nos estados unidos já tive a possibilidade de ver todas as series do canal à excepção de The L Word ) por completo e achei californication soberbo . talvez possa ser influenciado pelo meu gosto num certo tipo de vida tipografado na serie e tal como na vida real detestar e amar diferentes aspectos do mesmo, devo então dizer que achei a serie altamente coerente no drama, e mesmo nos papeis ditos semi-maus " pelo blogger . o papel que achei deixar mais a desejar foi mesmo o da ex-companheira de Mulder ". de resto posso dizer que é uma serie de excelente qualidade e só não ao mesmo nível de dexter por tratarem de assuntos diferentes cativando diferentes públicos talvez e pelos dramas suscitarem curiosidade de formas distintas pelos dramas distintos mas igualmente bons que são


De ze pedro a 16 de Fevereiro de 2008 às 02:45
Olá malta!

Esta é a primeira vez que escrevo num blog. Por incrível que pareça, vi me obrigado a procurar um blog, às duas da manhã, que abordasse esta serie. Acabei de ver o episódio 3 e achei-me na necessidade de escrever e desabafar com alguém.

Poderá ser uma boa série para alguns e má série para outros. Uns gostam de "peida", outros de "vagina e outros de "pénis". Respeito. Ah queria escrever palavrões em vez dos nomes cientificos dos orgãos ,as tive medo do "verificar ortografia". acho bem que haja esta verificação mas estando a falar de uma série como esta....podia haver flexibilidade!

Não vou ver o 4 episodio. E porquê?
Primeiro gostava de referir que adoro javardices, calão, sexo, "taras e manias", o "hollywoodesco escritor boémio"que todos nós queríamos ser, as gajas que ele come e que o querem comer a ele , enfim o tema é apelativo, è sim senhor! E imaginem...em Los Angeles, Califórnia...Sol e mar e gajas a passar com patins em linha pelo calçadão... Bem melhor era impossível.

Aqui, e por incrível que pareça, reside o problema. Isto para além de concordar inteiramente com as palavras do primeiro texto do blog.

Há muitas fórmulas de escrever uma série, o guião é importantíssimo, a história principal dividida em episódios que contem por sua vez uma história que ajudará a desvendar a principal.

Esta série cria coincidências obvias e imprevistos impostos, em termos de guião, para criar os elos entre as personagens. E isso é mt mau. É óbvio a mais até para alguém como eu que tem flexibilidade em aceitar óbvias coincidências e truques de escrita criativa para que o filme subsista. São truques de escrita.

Mas a interpretação do homem, o David, e note-se, que adorei a cena dele no filme "TV Set";acho até que aproveitaram esse tema deste TV set....

o pseudo-psicólogo agente dele que é a personagem necessaria, mas muito obvia a sua entrada no guião, que o suporta emocionalmente. No 3º episódio, a masturbação (acto mal captado pela realização), truque mais uma vez mal feito pelo homem que faz o guião;

o noivo da ex do David (personagem que não traz nada à história, imaginem que ele só "aparecia" na serie mas so por alguem falar nele, era bem melhor, tipo "Rebecca" do Hitckock),

o genérico em que ele simula várias acções óbviamente simuladas e com sorrisos video-clipados, filmado por uma super 8 mal, imagem mal pos produzida (note-se que já vi isto bem feito, mas mais uma vez truques na edição mal feitos);

contem os decors do primeiro episodio? Seis, reflecte a falta de meios para produzir uma série e isso quer queiram quer não, é muito mau.

Ah e muito grave! As falhas de raccord entre planos. Aposto que não tinham dinheiro para anotadora para pessoal da continuidade. e o farol fundido do porshe?

Bem... e eu que pus o dvd cheio de vontade de ver uma cena tipo Nip Tuck mas sem operações e... Muito mau guião.

Gosto de pensar que percebo um bocadinho disto, de guiões e fórmulas para agradar ao telespectador e premeditar o que o publico gosta de ver, mas nesta série está explícita demais a fórmula. É muito má.

mas há quem goste, e mostra que os guionistas (estes podiam ficar de greve mais tempo) conseguiram atingir os seus objectivos.

zé pedro










De AV a 3 de Abril de 2008 às 15:32
Não concordo com as críticas que fez. Qualquer episódio piloto tem sempre um orçamento limitado. Os erros de raccord são perceptíveis mas não são demasiado óbvios. São normais quando se tem um calendário apertadíssimo.
Quanto ao genérico, que mal tem? A ideia é mesmo ser uma super 8 manhosa.
Pela qualidade que se tem encontrado ultimamente, posso afirmar que o guião de Californication até está numa boa posição, até porque considero os diálogos geniais.

*Spoiler: mais à frente aparece uma ruiva, e sim, aí a personagem está forçada e os plot twists também.

Ver 3 episódios não é o suficiente para julgar a série..


Comentar post

▪ os pornógrafos

▪ pesquisar

 

▪ Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

▪ posts recentes

Maio

Apichatpong, dois

As quatro voltas

Apichatpong, um

Simpatias

Filmes difíceis

O adeus televisivo de uma...

Black Swan

Re-Animator

A rainha da galáxia

▪ tags

1982(1)

1985(1)

1989(1)

2004(3)

2006(11)

2007(67)

2008(75)

2009(46)

2010(8)

2011(1)

a música é a mãe de todos os vícios(16)

a música é mãe de todos os vícios(1)

apartes(3)

arte(2)

artwork(2)

cinema(190)

concertos(25)

críticas cinema(8)

críticas literatura(1)

críticas música(1)

efemérides(1)

entrevista(1)

festivais(2)

fotografia(1)

literatura(11)

momentos "saduf! muito bom!"(9)

música(231)

musica(1)

notícias cinema(1)

notícias música(7)

notícias televisão(3)

obituário(2)

off-topic(8)

pintura(2)

promessas(2)

quem escreve assim não é gago(7)

revistas(1)

televisão(101)

tops(7)

velhas pornografias(3)

videojogos(3)

todas as tags

▪ links

▪ subscrever feeds